Malu,minha razão de viver!

Malu,minha razão de viver!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Mãe... de novo...

E eu serei mãe de 2 filhos...
Sinceramente, nunca imaginei... Sempre falava que a Malu seria filha única, soprava isso aos 4 ventos e toda a vez que alguém me perguntava quando viria o próximo... Mas maternidade, e a própria vida é um eterno cuspir pra cima e cair na testa, né? Pois é, caiu bem no meio da minha testa. E o resultado positivo veio no dia 1º de março, eu já estava com 7 semanas de gestação. 
Não sei descrever bem aquele momento... Foi um misto de emoções e sensações...  que jamais minhas palavras conseguirão expressá-las. Tanto é que eu ainda não tinha conseguido escrever sobre isto aqui no blog.
Eu não sabia se me sentia feliz pela benção de mais um filho, ou se me sentia frustrada por ver tantos planos e sonhos sendo adiados novamente, projetos que provavelmente nunca serão concluídos... Me julgue quem nunca pensou... Mas não foi fácil aceitar e admitir tal mudança de vida. Se me sinto mal hoje por ter pensado assim? Sim, eu me sinto. Me sinto muito mal! Mas essa foi a reação da minha surpresa.
Hoje, apesar de imensamente feliz com a chegada do nosso gurizinho, sim, é um gurizinho! Teremos um casal! Que perfeito não é? Então... apesar de muitíssimo feliz ainda tenho medos... Tenho muitos medos... As vezes me culpo por não achar que sou uma ótima mãe pra minha Malu, me acho negligente pq às vezes esqueço de passar pomadinha na alergia q ela tem atrás da orelha e me culpo muito por isso, por ter dias que não tive tempo de sentar com ela no chão pra brincar, por ter dias que ela vem me pedir pra ler um livro pra ela e eu digo que agora não dá, me sinto culpada por perder minha paciência as vezes e gritar como se não ativesse mais argumentos, me sinto culpada por inúmeros erros que sei que todas as mães cometem mas que eu não queria cometer... Então penso: se não dou conta com 1, como é que darei conta com 2?? Ah! Sinceramente, esses pensamentos me aterrorizam! Que medo tenho de não ter mais tempo pra ela, que medo tenho de não conseguir dividir meu amor e meu tempo pra 2, que medo tenho de acabar negligenciando as pomadinhas dos 2... Ai que medo tenho de não ter recursos pra dar tudo o q eu sonho dar a eles!
E nesse misto de alegria e pavor é que vou vivendo meus dias à espera do meu  novo amor... Pedindo a Deus que me dê sabedoria para saber lidar com meus 2 tesouros, será um aprendizado diário, e eu estou disposta a aprender e me tornar cada dia melhor mãe.
Enquanto escrevo choro, e a Malu então vem com papel higiênico secar minhas lágrimas... Terei 2 doçuras dessa em casa... Que privilégio! 
Bjinhos,
mamãe da Malu

6 comentários:

  1. é bem assim mesmo filhinha, não tem que se culpar ou se infringir cupas, toda a mãe consciente passa por isso.... mas como a maternidade é algo divino é mesmo um milagre da vida, o Deus criador e idealizador disso tudo, nos capacita e nos dá sabedoria se O buscarmos e pedirmos. E, Dele vem tudo, a força redobrada para o trabalhos, o renascer das esperanças, as novas portas....
    Foi um desabafo seu sincero e consciente. Deus lhe abençoe cada dia tornando você uma mãe especial e realizada que passados os anos há de sentir-se honrada pelos filhinhos e orgulhosa de sua missão que não tem fim!!!
    Beijos no seu terno coração. Sua mãezinha.

    ResponderExcluir
  2. Ane, pela minha experiência eu teria tanta coisa para te falar. Aqui quem fala é Comprinhas Laís e Lucas. Como vc sabe engravidei de Lucas quando a Laís tinha 6 meses. E posso te dizer que meus pensamentos foram além dos seus, pensei até em um aborto, sim, podem me crucificar, mas só quem passa por um momento desse é apto a julgar. Também cantava para todo mundo que Laís seria filha única e a vida também cuspiu na minha testa antes até do que eu imaginava que seria o ideal para ter outro filho. Enfim, passados uns 2 meses da descoberta da gravidez, dois meses de muito choro e incertezas a ceca do futuro eu comecei a aceitar a nova gravidez. Aos poucos tudo foi se encaixando e a gravidez correu normal e tudo dentro do planejado. Dia 17/03/2011 nasce o Lucas, e eu me vejo com dois bebes dentro de casa. Fazia 15 dias que a Laís tinha começado a andar. Me desesperei de novo, tive muitas crises de choro, não consegui amamentar o Lucas, mas de novo aos poucos as coisas foram de encaixando. Deus me presenteou com um meninão que dormia a noite inteira, quase não teve cólicas, era calminho e quase não chorava, uma maternidade totalmente diferente daquela que tinha vivido a alguns meses atrás com a Laís que me deu um "trabalhão". Com o jeitinho calmo dele, comecei a relaxar, sim era ela que me passava a tranquilidade que eu precisava para continuar em frente. Lógico que é muito, muito difícil dar conta de dois ao mesmo tempo, tem seus perrengues de x em quando, mas tudo se encaixa, na hora certa tudo vai entrando nos eixos de novo.
    E só para te avisar se vc acha a Malu uma doçura, espera vir seu meninão, pelo menos aqui em casa, o Lucas é muitoooo mais amoroso que a Laís, parece que eles já nascem com a intuição de cuidar de nós, mulheres.
    Boa sorte e no que precisar, estamos ae. Bjos.
    P.S Estou com uma coisinhas para mandar para o seu meninão, peguei o endereço com a Bruna, ia essa semana, mas minha faxineira resolveu me deixar na mão, casa, roupa, comida, filhos, então vai semana que vem.

    ResponderExcluir
  3. Ane, pela minha experiência eu teria tanta coisa para te falar. Aqui quem fala é Comprinhas Laís e Lucas. Como vc sabe engravidei de Lucas quando a Laís tinha 6 meses. E posso te dizer que meus pensamentos foram além dos seus, pensei até em um aborto, sim, podem me crucificar, mas só quem passa por um momento desse é apto a julgar. Também cantava para todo mundo que Laís seria filha única e a vida também cuspiu na minha testa antes até do que eu imaginava que seria o ideal para ter outro filho. Enfim, passados uns 2 meses da descoberta da gravidez, dois meses de muito choro e incertezas a ceca do futuro eu comecei a aceitar a nova gravidez. Aos poucos tudo foi se encaixando e a gravidez correu normal e tudo dentro do planejado. Dia 17/03/2011 nasce o Lucas, e eu me vejo com dois bebes dentro de casa. Fazia 15 dias que a Laís tinha começado a andar. Me desesperei de novo, tive muitas crises de choro, não consegui amamentar o Lucas, mas de novo aos poucos as coisas foram de encaixando. Deus me presenteou com um meninão que dormia a noite inteira, quase não teve cólicas, era calminho e quase não chorava, uma maternidade totalmente diferente daquela que tinha vivido a alguns meses atrás com a Laís que me deu um "trabalhão". Com o jeitinho calmo dele, comecei a relaxar, sim era ela que me passava a tranquilidade que eu precisava para continuar em frente. Lógico que é muito, muito difícil dar conta de dois ao mesmo tempo, tem seus perrengues de x em quando, mas tudo se encaixa, na hora certa tudo vai entrando nos eixos de novo.
    E só para te avisar se vc acha a Malu uma doçura, espera vir seu meninão, pelo menos aqui em casa, o Lucas é muitoooo mais amoroso que a Laís, parece que eles já nascem com a intuição de cuidar de nós, mulheres.
    Boa sorte e no que precisar, estamos ae. Bjos.
    P.S Estou com uma coisinhas para mandar para o seu meninão, peguei o endereço com a Bruna, ia essa semana, mas minha faxineira resolveu me deixar na mão, casa, roupa, comida, filhos, então vai semana que vem.

    ResponderExcluir
  4. Hum passei por isto e minha pequena já está aqui. Tudo um susto: o positivo, a gestação e o parto prematuro. Aprender a cuidar dela... Mas agora estou adaptada... Sei bem como é a explosão de sentimentos.. Cris

    ResponderExcluir
  5. Ei Anelize!

    Sua pequena é linda! E parabéns pelo segundo presente, rs. Você dá conta sim! Amar em dobro!

    Beijo! Obrigada pela visita no cantinho, vá sempre que quiser!

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Nossa, já tinha desistido de vir aqui. Passados vários capítulos entre dodois e computador encalhado, bom ter notícias de novo!
    Já dei parabéns pela chegada do João Pedro(já tá certo o nome?), mas repito, que é pra babar na mãe coruja.

    Não existe mãe sem erros e culpa, mas também não existe mãe que não escancare um sorriso quando encontar o sorriso deles.

    Imagine mãe de 5, 12, 14 como antigamente! Os motivos para comemorar são sempre maiores que as culpas, prepare-se para outras.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Oi! Obrigada pela visita! Adoramos comentário! Bjs Ane e Malu